Saga de Reis: Estrela Azul

O Estrela Azul (Rei das Estrelas)
Ele começou valente, lutando contra todos e contra si
Venceu desde o começo, com coragem e perspicácia
Longe agora dos outrora profanos pensamentos
Perto de quem é martír, junto ao sentimento
Eu faço tudo por ele, para manter aceso o fogo
Certo de que ofusca qualquer um, com apenas sua presença
Olhos altivos, porte de Rei, ele ja venceu antes
E agora esta seguindo o destino, curioso talvez?
Aonde este ser levara o Estrela Rei?
Sei que sou seu súdito, seu irmão, seu sangue
Corre em minhas veias, é alegria para a alma
Ele conquista, ele cativa, ele é o certo
Admirável ser, não haverá igual, ninguém
Ninguém pode ousar imitar o brilho do Rei Estrela
Uno, forte, Rei, é o melhor que o esmero
Deste pobre poeta sem música pode alcançar
Mas não se preocupe, no meu coração há homenagem
Mais bela e aprazível, que é o estandarte com o nome
Do irmão que encanta minha canção…

Anúncios

Aliens, O Resgate

Essa bela obra da ficção cientifica, conduzida por James Cameron, e pintada por H.R. Giger, fez parte da minha cultura fantasiosa e cunhada em generos como horror e terror.

Aliens sem duvida é um dos filmes que marcou época, usando efeitos bem trabalhados, e cenários e criaturas bem modeladas, deixando um marco para obras posteriores.

Ellen Ripley é na minha opinião a mulher que demonstra mais força que eu ja vi no cinema, ela simplesmente tem a ousadia de enfrentar uma raça alienigena que foi criada para superar e sobreviver a tudo, os xenomorfos, como também são denominados, tem sangue ácido, garras afiadas como prata, uma cauda que pode perfurar praticamente qualquer coisa, e ainda mais, a inteligência e sagacidade de um verdadeiro predador, alias, esses também, os Predadores, são uma raça muito boa para se comentar, mas haverá um post só para eles, no momento voltemos aos alienigenas de sangue ácido.

A história se passa meio século após os primeiros contatos com os xenomorfos, no planeta LV-426, onde a Tenente Ripley e uma equipe de Colonial Marines fazem uma operação de resgate em nome da megacorporação Weyland-Yutani.

Ripley, mesmo recusando a primeira chamada para a empreitada, aceitou ir como consultora, devido sua experiência prévia como piloto e conhecimento dos xenomorfos.

O planeta era para se terraformado pelos colonizadores que a Weyland-Yutani mandou, mas a equipe não viu sinal de nenhum, só encontraram uma garotinha de 9 anos que foi chamada de Newt, e varios facehuggers.

Após algum tempo, a equipe encontrou os sinais vitais de todos os colonizadores no reator da colonia, e especularam que seria algum tipo de reunião.

Terminou que a reunião, era só o aglomerado de sobreviventes, incubados já pelos facehuggers, e prontos para dar cria a toda uma nova prole de xenomorfos, a equipe sai da area do reator com varias baixas, mas sai viva graças aos esforços de Ripley.

Encurralados agora na base dos colonos, e sem uma chance de fuga rápida, devido a destruição da nave de trasnporte, o andróide Bishop resolve ajudar os Mariners usando o trasnmissor da colonia para guiar remotamente a outra nave de resgate que estava dentro da  Sulaco.

Enquanto a equipe se armava e barricava o complexo, Ripley e Newt vão descançar, e se veem presas com 2 facehugers quando acordam, tudo parte de um plano do representante da Weyland-Yutani, Carter Burke, que esperava infectar as duas e leva-las para os laboratórios da empresa e lucrar no processo, ele também tramava matar todos o Marines durante o sono criogênico.

Os aliens conseguem entrar nas instalações, e durante a fuga para o ponto onde a nave iria resgata-los, apenas Ripley, Hicks e a garota Newt sobreviveram, junto ao andróide.

Carter havia mandado dos colonos para investigar os restos da nave Nostromo, onde o primeiro contato com os xenomorfos foi feito, na esperança de capturar algum para estudos e desenvolver armas biológicas, acaba seno morto por um Alien Guerreiro, Hicks ajuda Ripley a lidar com as armas, e conta com os conselhos dela durante toda a missão.

A jovem Newt, perdeu os pais, e ficou muito traumatizada com os Aliens, chamando eles constantemente de montros, mas mesmo assim, ela confia em Ripley como uma mãe, e não perde as esperanças nela.

Ripley encontra pela primeira vez uma Rainha Alien, a origem dos ovos que chocam estilo casca de banana, dos facehuggers, e de todos os outros xenomorfos.

A cena entre elas é bem tensa, a Rainha é onipresente nas mentes de todos os outros Aliens, e eles a obedecem prontamente, Ripley queima todos os ovos que a Rainha tinha posto, enraivecendo assim ela, e a fazendo se separar de seu “ovopositor” para entrar em perseguição.

Todos conseguem escapar da colonia sem danos, que havia virado uma bomba termonuclear após os Mariners atirarem no reator da mesma e voltam a Sulaco para descançar e entrar no hipersono

Mas a Rainha os seguiu até a nave, e entrou em combate com os sobreviventes, primeiro ela parte em dois Bishop, depois ela persegue Newt pelas grades do piso da nave.

Ripley usa um exoesqueleto de carregamento de carga para lutar de igual para igual com a Rainha, e acaba por cair em cima dela com ele na saida de ar da Sulaco.

A tenente então abre a comporta da saida, puxando a Rainha para o seu fim no vácuo do espaço, e acabando assim com o terror do resgate.

Acaba assim a obra prima de Cameron, e começa o legado sobre os xenomorfos, tendo varias sequencias e adaptações para diversas mídias.

O ponto

Preso na pressão comum da monotomia
Não há loucura nem fadas, mas
A dura fronte da realidade, comum
Igual, sinônimos horrendos ao poeta
Quando nem a lua é chave para
Libertar a pobre e cativa criativa
No ponto mais fundo do coração, a alma
Onde mais perto do concreto, é certo
Que sementes não cresçam, mirrem
Sequem, e cinza fiquem, como é
Como não vai ser, pois me puxo
Para a realidade de meus sonhos
No ponto mais fundo da alma, o coração

Thanos Imperativo

[ATENÇÃO SPOILERS DA SAGA ABAIXO]

Não sabia que eu ia adorar um personagem que era tão mal desenhado antigamente, eu tinha asco dele nas Guerras Secretas e no Arco das Jóias do Infinito ( Manopla do Infinito), mas o Titã louco me conquistou.

Desde a saga Aniquilação, que terá seu devido post por sua grandeza, fiquei intrigado com o personagem, sobre o seu verdadeiro ser, até onde o poder de Thanos tinha limites.

A saga do Imperativo me mostrou que nenhum, nada, Thanos é o herói e o vilão perfeito da Marvel, sábio, forte, pensativo, melancólico, com um amor impossível, e um humor sagaz, quando o mostra.

Thanos voltou depois de sua morte da primeira saga da Aniquilação por Drax, o detruidor, e ele mesmo fala que o seu algoz deve agora estar em torpor, já que seu unico proposito na vida era destruir o Titã.

Ele esta aprisionado, em um estado bem inferior de mente e comportamento, tudo para disfarçar suas verdadeiras intenções, que sempre tem a ver com a Morte.

Os Guardiões da Galaxia, liderados por Star Lord,  são quem mantem o Titã preso, e posteriormente, se juntam ao mesmo, para salvar o nosso universo.

A contra parte demoniaca do respeitado herói Mar’vell, é o sumo sacerdote da Universal Churh of Truth, uma entidade religiosa cósmica que preza ritos aos primeiros deuses da existência, e preza muito a vida, em todas as suas hediondas formas, ele é um anti morte.

Isso tudo devido ao seu plano ser o Cancerverso, uma realidade onde a Morte não existe, pois foi aniquilada por meio de ritos ancestrais, e onde agora a vida não morre, apenas se altera para formas novas cada vez mais grotescas.

Nova, o Império Shy’ar, os guardiões da Zona Negativa, Quasar, todos os poderes galáticos de nosso universo fazem parte dessa contenda, pois o Mar’vell da Universal Church fez um rito onde varios planetas foram invocados para iniciar um ritual que faria um rasgo na realidade, trazendo as forças hediondas do cancerverso para a nossa realidade.

Nova o Surfista Prateado e outros super seres agora entram em batalha contra as forças do cancerverso, e ainda tem a ajuda dos poderosos Abstratos Cósmicos de nossa realidade, um deles, Galactus.

Enquanto os Guardiões da Galaxia, agora junto a Thanos tentam resolver o problema, Mar’vell junta os heróis que ele acha serem a anomalia, que representassem a morte nesse universo, pois para invocar os antigos deuses, nosso universo teria de estar livre da morte.

Enquanto isso, na fenda aberta para o cancerverso, a batalha ficava cada vez mais desesperadora para nossos heróis, o inimigo chegou até a imitar o aspecto de Galactus, com o Galactus Engine, uma bizarra distorção do Abstrato no outro verso.

Todos os seres do cancerverso sãp cópias bizarras e hediondas dos nossos melhores heróis, até uma cópia dos Avengers, os Revengers, que tem como mote em vez de “Assemble”, a doce palavra “Dismenber” muito pratico visto a aparência deles.

Essa saga foi muito bem explorada, tivemos várias baixas, muito importantes, mas que tenho certeza que vão voltar em futuras publicações, e também tem muitos elementos da mitologia de Lovecraft, o maior escritor do gênero de horror no mundo, e belas referencias digo eu, creio até que teve referencias a algumas outras obras e filmes, nas criaturas no fundo das cenas dos comics, tenho certeza de que vi um facehugger.

É um arco que vale a pena ler, mas que é melhor aproveitado se você já leu os outros desenvolvimentos galaticos da Marvel, como a Aniquilação, Aniquilação Total, e Guerra de Reis.

Recomendo a leitura de todos, pois focam e mostram o quão amplo ainda pode ser o universo Marvel.

A dor do Tendão

Como sementes lançadas ao pó
Assim é o ímpeto, a epítome
Os tecelões quebram a razão
Montam pêndulos em cima de um alçapão
Longe dos olhos virgens de Nihilo
Aqui estou, numa ponte cega gritando
Lendo o inferno que rima no grafite
Mais agradável que minhas teias
Ameno ao som do piano, assim
O gotejar da melodia enxe o jarro
De uma imaginação sã e jovial
Que contém pedaços de sentimentos
Mas não forma nada inteiro, só junta
Os retalhos dos desejos alheios em sempre,
Sempre a mesma face, sem cicatrizes
Mas sempre querendo se cortar, mesmo
Que ornada com safiras atrás de vidros
O bronze jaz em minha fronte e no cordão
Agora objeto de adoração, claro e temível
A vontade e a dor da criação, então
Termino assim, antes aqui, do que o meu tendão