Eis que

O fecho do conflito é de longe o mais simples a ser feito
Parece que lobos são crianças esperando o pão de cada dia
Não antes sem se deliciar dos ódios e receios dos mensageiros
A cor é purpura, rubra e carmesim, é inteligente e sabe cifrar
Antes que alguem diga, loucura, digo fim.
Acabou a liberdade, sobrou um vazio escuro para caminhar
E tentar olhar pelas frestas o que sobrou do passado
Não é um museu, é uma dose de veneno que se concentra pulsando
Onde antes falaram em quatro letras, agora ela tem cuidado
De não encontrar novamente o pobre coitado, que esquecido foi
E agora?Ninguem responde, olham de soslaio, ou nem olham.
os fios amarram a ponta do nariz a nuca, e os olhos foram feridos
Pela lâmina cega da vontade, ninguem mais faz uso da felicidade
Fácil é só medir a distância da ponta do abismo até o cume do céu
Ninguem mais acredita mesmo em véu, aonde esta agora?
Preferia sozinho ser guiado por vagalhões e nunca ter noção
Do que é um coração ou uma preocupação, tarde, é tarde, muito tarde
Já tomei da sabedoria burra, e me fiz rei dos aflitos, mas eles
Não tem nome, e tão pouco escutam, sobrou o que? A falta de tudo
Um inverno ou um inferno tem o mesmo gosto, queimam a lingua
E causticam os labios, desejo um lago fundo, sem mundo, cercado
De nada, quero olhar para cima e ver um pilar de estrelas
Ninguém entende?Ou cede?Talvez o ser não seja a questão...
Anúncios