Poço sem Asas

 

Nas asas embaladas pelos ares quentes e pesados de um árido campo agora devastado jazem faces voltadas para a grama vermelha e com os dedos trincados em espadas e dentes envoltos em línguas estranhas.

Os sons de harpas ficaram presos nas gargantas e nos olhos que buscavam um coração ou uma cabeça, agora estão envoltos somente pelos címbalos do holocausto, o sacrifício foi ofertado sem um só homem ser consultado, fardos de arpões agora carregam o peso putrefato do monstro que derrotou as hostes dos homens. Duas quedas desastradas por uma mente pérfida orquestradas para um novo rumo dar, a uma história sem gosto ou vitória de uma raça aquebrantada e a muito estupefata com a queda de tão gloriosa empreitada.

Os papéis se desfizeram como nó de aprendiz, perdidos agora para sempre, do destino um chamariz, levem-nos para os poços ardentes e os julguem com tridentes, não era assim que se diz?

Não, o pior vai ser a exortação e a eternidade como uma torção que não liberta mas demora, os cravos na testa cegam mas não imploram, ainda choram como que cientes de que um dia até a eternidade acaba, mas até lá não são cascos que batem rindo em espasmos, mas asas que se ajeitam em um trono parco e sem nenhum marco, simples cadeira debaixo de um arco, com cruzes e espadas postas lado a lado, quem sabe a diferença entre uma inspiração e um bom agrado?

Anúncios

Asa de Fada

Enquanto uma folha girava e pendia solta embriagada nos passos do vento, o som dos galhos rangendo e um crocitar ao longe moldava o escuro da noite, mais escura que o costumeiro, sem lua ou estrelas, apenas com as pesadas nuvens de chumbo marchando lentamente pelo véu noturno.

Sentia as gotas pesadas batendo no casaco e nas abas do chapéu, meio desconfortável com a lama prendendo os sapatos toda hora, andar no descampado na frente de uma tempestade e com algo oprimindo minha vontade era meu último desejo para esta noite, eu não precisava ter de caminhar tanto, mas o carro ia ser muito barulhento e as luzes iam chamar a atenção, precisava ser calmo e esperar a chuva e uma chance de entrar no galpão.

Três sombras caminhavam calmamente pela sacada de madeira contornando os lados e os fundos da estrutura, uma porta pesada de ferro estava trancada com uma corrente envolvendo  duas grandes alças como um enorme cadeado enferrujado. As sombras paravam e conversavam umas com as outras, pediam fogo e acendiam cigarros, tomava algo de uma garrafa de vidro escuro, com metade sua escondida por um saco de papel. Depois de dar a volta no galpão e quase perder os sapatos atolados da lama, a chuva deu uma trégua e resolveu só acariciar de leve meu casaco e lembrar que meu chapéu estava pesado.

Uma das sombras decidiu sumir atrás de uma porta na lateral onde as luzes eram mais fracas e se podia ver o cintilar de toda a cidade, como um sonho perdido no meio da madrugada, talvez como os meus que me empurravam a entrar no meio do nada para procurar algo tão estupido.

Aqui as coisas começam a ficar estranhas.

Assim que os garfos celestes pararam de iluminar o céu, um barulho bem menos imponente quebrou a canção da chuva nas telhas e nas poças, uma porta rangendo devagar e abrindo com cautela, as botas batendo encharcadas nas tabuas e deixando marcas escuras de água e lama, e depois de algum tempo desaparecendo e se mesclando com a quietude escura do armazém.

O que aconteceu foi um momento para se acostumar com as pequenas fontes de luz espalhadas, monitores, cigarros e uma luz amarela que piscava apontando em um fecho sem nada para iluminar. Andando por entre as colunas de madeira um cheiro forte de algo doce e suave impregnou meu casaco e deu a sensação de calor, segui o aroma com cautela até chegar a um poço de pedra, e uma luz forte brilhava no fundo dele.

O barulho de algo brusco se movendo e a ponta escura que atravessou meu casaco e meu peito foi quase uma das ultimas coisas de que me lembro, levantado dois palmos do chão, fui atirado como um boneco de pano no poço e comecei a cair em direção a luz, se não morre-se pelo ferimento a queda faria um bom trabalho ainda, mas senti um leve puxão no rasgo nas costas do casaco e minha queda se suavizou, mas só consegui ver a copa de uma arvore e uma sensação de mergulhar em uma banheira de água morna, e tudo se apagou com um barulho que de longe lembrava um leve bater de asas.